Ao vivo
Pai debocha de filha com paralisia e é acusado de maus-tratos: “Largar em orfanato” Ex-cunhada de Safadão acusa mãe do cantor de ameaça e ela rebate: “Tudo mentira”
Pai debocha de filha com paralisia e é acusado de maus-tratos: “Largar em orfanato” Ex-cunhada de Safadão acusa mãe do cantor de ameaça e ela rebate: “Tudo mentira”
portal Leo Dias 1 ano
vaidebet
Exclusivo

Autor das releituras de Pantanal e Renascer quer fazer novela original

Bruno Luperi é neto de Benedito Ruy Barbosa, autor das versões originais de Pantanal e Renascer

O contrato de Bruno Luperi com a Globo acabou junto com Pantanal, que teve o último capítulo exibido no dia 7 de outubro de 2022. Assim que botou um ponto final no remake da obra que fez sucesso na Manchete em 1990, o neto de Benedito Ruy Barbosa tomou uma importante decisão: nunca mais fazer um projeto criado por seu avô. No entanto, o autor do remake que fez sucesso no ano passado concedeu entrevista exclusiva ao portal LeoDias sobre o remake de Renascer, obra também criada por seu avô e que voltará as telas da emissora com sua assinatura.

“Quando estava nesse momento de acabar Pantanal, falei pra minha esposa: “/nunca mais faço nada do meu avô”/. Falei isso porque já foi muito feliz, achava que não dava para ser melhor. Aí na semana seguinte, me ligaram e perguntaram se eu toparia fazer a adaptação Renascer. Destamparam o diabinho da garrafa… Aí me cutucou e eu falei pra minha esposa: Ó, você me desculpa, aceitei porque não dá pra negar, né?”, detalhou.

E foi assim que, dois anos após o sucesso de Pantanal, Bruno Luperi volta ao ar com uma nova adaptação de uma obra do avô. Aos 35 anos, o autor conta que Renascer é uma novela de muita importância para ele, que tinha apenas 5 anos quando a história foi ao ar.

“Eu tenho as memórias todas da vida da novela acontecendo. A gente frequentava muito a casa do meu avô. Eu via ele escrevendo, chorando, sorrindo, e de repente aquela novela começou a acontecer, as reuniões de elenco, de direção, acontecendo na casa. Comecei a entender todo o processo ali, o que ele fazia, eu comecei a entender o ofício dele de uma certa maneira. Eu via o Marcos Palmeira na nossa casa, foi o primeiro ator que eu vi, que eu achei que saiu na televisão”, lembra Bruno Luperi.

Ele conta que chamava o ator de João Peido porque não sabia falar o nome do personagem direito e que já sujou a casa do avô querendo brincar de ser os personagens da história que fez sucesso em 1993. “Eu e meu irmão pisamos no ovo de páscoa no colchão como se fosse o cacau! Lameamos o colchão inteiro de chocolate”, ri o novelista.

Após dividir a autoria da novela Velho Chico com a mãe, Edmara Barbosa, sob a supervisão de Benedito Ruy Barbosa, Bruno quer voltar a escrever uma trama original. Antes da pandemia de Covid, em 2020, o autor estava trabalhando na sinopse de O Arroz de Palma, adaptação do romance homônimo de Francisco Azevedo para a faixa das seis.

“Tenho essa vontade, sim. Quando Pantanal chegou, eu estava no capítulo 40 de O Arroz de Palma, em fase de pré-produção, e já escalando elenco. A gente estava com desenhos de produção na cabeça ali, e aí de repente veio a pandemia e fechou o estúdio. Logo em seguida, surgiu a possibilidade ali de adaptar o Pantanal, que era um negócio que já existia entre o meu avô e a Globo, dos direitos, uma sessão de direitos e tudo mais. Me perguntaram se eu gostaria de fazer. Eu falei: “/Poxa, meu avô está vivo; acho que é o mínimo que eu devo fazer pra ele. Então, foi uma oportunidade única de, eu acho que eu falei pra ele, ser homenageado em vida por um neto. Gostaria que o destino me reservasse algo parecido ali, muito bacana isso”, disse Bruno.
 

Veja as fotos

Reprodução
Reprodução
Reprodução
Reprodução