Ao vivo
Pai debocha de filha com paralisia e é acusado de maus-tratos: “Largar em orfanato” Ex-cunhada de Safadão acusa mãe do cantor de ameaça e ela rebate: “Tudo mentira”
Pai debocha de filha com paralisia e é acusado de maus-tratos: “Largar em orfanato” Ex-cunhada de Safadão acusa mãe do cantor de ameaça e ela rebate: “Tudo mentira”
portal Leo Dias 1 ano
vaidebet

Ginecologista explica morte de jovem que se envolveu com jogador do Corinthians

Jovem que morreu após encontro com jogador teve ruptura do Saco de Douglas

Nesta quinta-feira (1º/02), a causa de óbito de Livia Gabriele, jovem que morreu após encontro com o jogador do sub-20 do Corinthians, foi revelada. Segundo o atestado de óbito, ela teve uma ruptura no Saco de Douglas, uma região delicada localizado no fundo da vagina, na região entre o útero e o reto das mulheres. O portal LeoDias entrevistou a ginecologista Mariana Rosario para explicar mais sobre o que causa esse rompimento.

1 – Segundo o atestado de óbito, a jovem teve uma “ruptura de fundo de saco de Douglas com extensão à parede vaginal esquerda”. Onde fica essa região afetada e como isso acontece?

Saco de Douglas, Fundo de Saco de Douglas, Espaço de Douglas ou Bolsa de Douglas são nomes dados a uma única região anatômica. É uma região do corpo humano situada no baixo abdômen. Na mulher, encontra-se entre o útero e o reto e, no homem, entre a bexiga e o reto (sim, os homens também têm essa parte em sua anatomia).

2 – É algo que tem relação apenas com a penetração? O que mais requer atenção? Há casos específicos ou condição que requer uma atenção maior?

Não posso falar sobre esse caso específico porque não sou médica da moça que faleceu e desconheço sua saúde. De forma geral, o rompimento do Saco de Douglas não tem a ver apenas com penetração ou existiriam milhões de casos anualmente. O rompimento do Saco de Douglas se dá durante um parto em que há uma grande laceração; quando há um trauma por um acidente em que há fratura pélvica; quando há a inserção de um objeto na vagina que cause laceração ou até mesmo durante o ato sexual depois de uma cirurgia recente. Esses são os casos mais comuns.  

O corpo humano é complexo. Doença inflamatória pélvica, grandes extensões de endometriose e outras inflamações podem sensibilizar a área e, durante o esforço sexual, pode haver a ruptura do Saco de Douglas, em casos pouco comuns.

3 – Tendo como exemplo este caso, quais os sinais que carecem de atenção no momento da relação sexual? O que deve ser evitado? É normal sentir dor? Qual é a importância da mulher respeitar seus limites?

Dor na relação sexual não é comum. Pode ser sinal de uma inflamação pélvica, contração da musculatura vaginal por motivos emocionais ou outras questões que merecem investigação e tratamento. Ninguém pode ou deve suportar desconforto ou dor na relação sexual, porque isso não é normal. Se doer, é melhor parar o ato, conversar com o parceiro e reiniciar em momento mais propício. É preciso haver segurança e respeito em qualquer relação. Tanto mulheres quanto homens devem impor e respeitar limites. Respeitar-se e ao outro é o segredo para uma vida sexual ativa e satisfatória. E, caso a dor no ato sexual persista, existe tratamento para ela, basta procurar um ginecologista.

4 – Há alguma relação com a necessidade de preventivo, ir ao ginecologista com frequência? Se sim, qual é essa frequência e o que deve ser levado em consideração?

O que as mulheres precisam, sempre, é cuidar da saúde íntima com muita dedicação. Isso inclui fazer ao menos uma visita ao ginecologista ao ano, bem como realizar os exames anuais. Se houver alguma alteração, essa visita aumentará conforme a necessidade. Também é imprescindível utilizar preservativo em todas as relações sexuais, bem como escolher um método contraceptivo adequado à idade e ao seu perfil.

Outro ponto fundamental é o uso de sexy toys: eles são individuais e jamais podem ser compartilhados. Já a lubrificação íntima se faz necessária para que se evitem cortes, dores e incômodos. Se a excitação não foi suficiente para garantir uma lubrificação adequada, existem lubrificantes à base de água que são seguros e não causam alergias ou irritações.

Veja as fotos

Reprodução
Reprodução