Chrystian, da dupla com Ralf, morre aos 67 anos Hospital divulga causa da morte do cantor Chrystian
Chrystian, da dupla com Ralf, morre aos 67 anos Hospital divulga causa da morte do cantor Chrystian

Presidente do Corinthians questiona idoneidade de parceira e pode perder mais um patrocínio

Augusto Melo discutiu com jornalista da Gazeta Esportiva

          Os nervos estão à flor da pele no Corinthians e nesta segunda-feira (10/6) o presidente Augusto Melo subiu o tom contra seu antecessor Duílio Monteiro, mas acabou colocando em xeque o futuro da parceria com a Ezze Seguros, ao questionar a idoneidade da empresa que fechou patrocínio com a gestão anterior.

          Thiago Salazar, jornalista da Gazeta Esportiva, bateu boca com o presidente Augusto Melo, que chegou a questionar a credibilidade da intermediária na negociação com a Ezze Seguros:

          “Procura saber se a empresa que trouxe nosso patrocinador das costas [Ezze Seguros] tem CNAE [Classificação Nacional de Atividades Econômicas]. Procura saber. Você falou alguma coisa? Tá tudo com a empresa [intermediária]?”, disse Augusto para Salazar.

          O jornalista rebateu o presidente afirmando que “saiu na Comissão de Justiça do Conselho Deliberativo” do Corinthians que não existe irregularidade no negócio feito para o patrocínio da Ezze Seguros.

          Veja as fotos

          Reprodução
          Reprodução
          Reprodução
          Reprodução
          Reprodução
          Reprodução

          De acordo com Flávio Ortega, ex-assessor de comunicação do Corinthians e hoje no portal Meu Timão, a fala de Augusto Melo irritou os patrocinadores que, obviamente, não gostaram de ter a credibilidade sendo colocada em dúvida pelo próprio parceiro.

          A Ezze Seguros pretende soltar uma nota oficial para falar sobre o episódio e corre o risco do patrocínio ser rescindido. Atualmente, a empresa está ocupando a parte superior das costas da camisa.

          Augusto Melo parece não estar preocupado com a permanência da Ezze Seguros como patrocinadora do Corinthians, já que ele vê os R$ 11 milhões anuais pagos pela empresa como insuficientes.