Ao vivo
Pai debocha de filha com paralisia e é acusado de maus-tratos: “Largar em orfanato” Ex-cunhada de Safadão acusa mãe do cantor de ameaça e ela rebate: “Tudo mentira”
Pai debocha de filha com paralisia e é acusado de maus-tratos: “Largar em orfanato” Ex-cunhada de Safadão acusa mãe do cantor de ameaça e ela rebate: “Tudo mentira”
portal Leo Dias 1 ano
vaidebet

Síndrome de Patau: entenda doença que afetava filho de Zé Vaqueiro

Criança faleceu após quase um ano internada

          Arthur, filho de Zé Vaqueiro e Ingra Soares, faleceu na madrugada desta terça-feira (9/7) após ficar 11 meses internado. Ele nasceu com a síndrome de Patau. A doença genética, também conhecida como trissomia 13,  é resultado de diversas malformações congênitas e é considerada rara, acometendo 1 em cada 5.000 recém-nascidos.

          A criança nasceu no dia 24 de julho e já foi internada na UTI. Em maio, Arthur chegou a receber alta hospitalar, mas em menos de 24h sofreu uma parada cardíaca e precisou ser internado imediatamente.  Em junho, ele foi submetido a traquestomia, abertura frontal na traqueia, para facilitar a entrada de ar nos pulmões. Durante todos os meses, Zé Vaqueiro e Ingra celebraram o dia de aniversário do filho. Apesar de todos os cuidados, a criança infelizmente não resistiu à doença.

          Veja as fotos

          Reprodução
          Reprodução
          Reprodução/ Redes Sociais
          Reprodução/ Redes Sociais
          Reprodução
          Reprodução

          Sobre a doença 

          A síndrome consiste no aumento de um cromossomo 13. Os bebês acometidos pela doença podem apresentar problema de crescimento no útero e nascerem com baixo peso, além de ter defeitos cardíacos e até microcefalia (cabeça menor do que o esperado).

          Outros problemas que são identificados é microftalmia (olhos pequenos) ou até anoftalmia (ausência do globo ocular), além de malformações de orelhas,  surdez e falta de pele em partes do couro cabeludo (aplasia cútis). Normalmente, a pessoa que possui a síndrome sobrevive poucos dias ou semanas, portanto a condição do Arthur pode ser considerada rara.

          A especialista em reprodução humana, Dra. Carla Iaconelli, disse em entrevista ao portal Leo Dias, que é comum que mulheres acima dos 35 anos tenha “aneuploidia fetal”, quando há uma alteração quanto ao número de cromossomos no feto. A médica também disse que é possível realizar uma biópsia dos embriões, evitando assim que a fecundação ocorra.